ANA PAULA SAMPAIO CALDEIRA – CÂNCER DE MAMA AOS 30

anapaula

Nunca me senti muito à vontade com a ideia de dar um depoimento. Não que eu seja exatamente uma pessoa “reservada”. Também não se trata de não querer compartilhar a minha experiência com outras pessoas, como se eu quisesse esconder ou esquecer que passei por isso. Minha hesitação vem do fato de eu acreditar que cada experiência é única e individual. Portanto, tenho plena consciência de que cada um que passa por essa ou outras situações delicadas na vida a encara de uma forma particular.

De qualquer maneira, o que me estimula a escrever é lembrar que, quando descobri o câncer, eu mesma li muitos depoimentos de pacientes e ex-pacientes e que cada um deles, à sua maneira, contribuiu para que eu entendesse o que estava se passando comigo e me ajudaram a dar sentido àquilo tudo.

Eu descobri o meu tumor aos 30 anos de idade. Não tenho ideia de há quanto tempo ele estava lá alojado na mama direita. Há uns 2 ou 3 anos eu não fazia a ultrassom e nenhum médico tinha me indicado fazer mamografia até aquele momento. A descoberta começou com uma visita de rotina à ginecologista. A investigação foi aprofundando, aprofundando e pronto: lá estava o diagnóstico. Um mês depois, começava o tratamento: 16 sessões de quimio, seguidas pela cirurgia e 25 sessões de radio.

Evidentemente, é sempre um choque saber que se está com câncer e é muito, mas muito cansativo mesmo passar pelo tratamento. Mas uma das partes mais difíceis foi dar a notícia aos amigos, parentes e marido e ver neles a falta de palavras e o olhar de preocupação.

Não quero fazer o discurso da “paciente-super-heroína”, que passou por tudo com valentia e sorriso no rosto. Comigo não foi assim! Fiquei preocupada, tensa e triste, principalmente nos momentos em que meu corpo se mostrava debilitado pelo tratamento. Mas, não sei bem explicar porquê, sempre tive a impressão de que estava no controle da situação e de aquela era uma fase que iria passar. Reafirmo as palavras da Paula (a “dona” desse blog!!) quando ela diz que essa não foi a pior experiência da sua vida. Além disso, ainda hoje há muitas outras doenças e situações que me causam muito mais medo do que o câncer. Por outro lado, também tive a sorte de contar com um marido, uma família, médicos e amigos incríveis que me ajudavam a encarar com mais leveza a situação.

Às vezes, as pessoas perguntam o que mudou na minha vida depois de ter passado pelo diagnóstico do câncer de mama, talvez esperando que eu relate uma mudança radical de postura diante do mundo. Na verdade, depois do tratamento as coisas foram, aos poucos, voltando ao normal, isto é, a rotina cotidiana de trabalho, estudos, entos de alegria e também de “abacaxis” para resolver não me abandonou. O que eu certamente ganhei foi a percepção daquilo que era efetivamente importante pra mim e a compreensão da necessidade de cuidar mais do meu corpo e de estar atenta aos seus limites.

Ana Paula Sampaio Caldeira

paideia@ig.com.br

Câncer de mama aumenta entre as mais jovens

 
A incidência do câncer de mama avançado em mulheres de 25 a 39 anos nos Estados Unidos aumentou nos últimos 30 anos, segundo um estudo publicado nesta quarta-feira (27).
 
A pesquisa publicada no “JAMA”, a revista da Associação Médica Americana, descobriu que os casos passaram de 1,53 por 100 mil habitantes em 1976 para 2,9 por 100 mil habitantes em 2009.
Segundo os pesquisadores, isto representa um aumento médio ponderado de 2,07% por ano durante o período de 34 anos.
“A tendência não mostra sinais de diminuição e pode indicar um aumento da importância epidemiológica e clínica”, escreveram os autores do estudo, dirigido por Rebecca Johnson, do Hospital Infantil de Seattle e da Universidade de Washington.

Continuar lendo

DEPOIMENTO PAULA

Clique na imagem para ampliá-la

Essa ai sou eu. Antes, durante e depois da doença. Você deve estar se perguntando “pq essa exposição toda?”, “pq mostrar a cara da pior fase da vida”? Eu te respondo dizendo que essa não foi mesmo a pior fase da minha vida e que eu me exponho exatamente para cumprir a missão que eu acho que tenho de ajudar as pessoas que tiveram essa doença. Não tenho vergonha de absolutamente nada e agora vou dar meu depoimento para vocês.

O povo chama de “C.A”, “aquela doença”, parece que vai cair um raio na cabeça de alguém se eles falarem CÂNCER. Nunca pensei assim, graças a Deus. Desculpa, mas isso pra mim é ignorância. Não digo ignorância de burrice, mas ignorância de não saber mesmo.

Certamente ninguém pensa que esse tipo de coisa vai acontecer com a gente. Na verdade, eu acho que nunca havia pensado muito no câncer de mama especificamente, pois eu sempre fiz todos os exames periodicamente e etc. Sempre me cuidei e essa foi a minha sorte. Acho que tenho que agradecer a minha mãe por isso também (além de outras coisas), por sempre nos colocar para fazer exames. Como tenho um histórico de fazer cirurgia por outros motivos, sempre fui regularmente aos médicos, principalmente ginecologista e mastologista. Já tirei fiboradenomas (cistos benignos) e metade da tireóide, além de outras coisinhas mais. Continuar lendo